Prefeitura de Campinas revê sacrifício de gatos

Depois dos protestos organizados por entidades de proteção de animais, no final de semana, a Secretaria de Saúde de Campinas anunciou que está revendo a decisão de sacrificar cerca de 30 gatos que vivem na região do Bosque dos Jequitibás, área aberta à visitação pública, suspeitos de terem contraído raiva. A alternativa será manter os animais sob observação durante 180 dias. A enfermeira sanitarista e coordenadora da Coordenadoria de Vigilância e Saúde Ambiental (Covisa) de Campinas, Salma Balista, explicou que o alojamento, onde os gatos serão mantidos em espaços individuais, deverá ser viabilizado em parceria com a União Protetora dos Animais (UPA), que organizou os protestos. A decisão deve ser tomada em uma semana, conforme Salma.A apreensão e eutanásia dos gatos foi divulgada na semana passada, quando a Secretaria confirmou um caso de raiva animal em um morcego nas proximidades do Bosque. A eutanásia é recomendada pelo Ministério da Saúde e pelo Programa Nacional e Controle da Raiva.O Bosque recebe centenas de visitantes diariamente. No domingo, um jornalista que visitava o local foi mordido por um gato e está sendo atendido na rede municipal de saúde. Neste ano, quatro casos de raiva em morcegos foram registrados em Campinas e um está sendo investigado. O último caso de raiva em humano na cidade ocorreu em 1981.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.