Prefeitura de Guarulhos embarga construção da Febem

A prefeitura de Guarulhos embargou nesta quinta-feira as obras da construção da unidade da Fundação do Bem-Estar do Menor (Febem) que o governo do Estado estava construindo na cidade. A decisão foi tomada depois que fiscais da secretaria do Meio Ambiente da cidade vistoriaram a área em que o prédio estava sendo erguido. Faltava a autorização para a remoção da terra, que só é dada depois de análise do impacto ambiental. "O proprietário do terreno será multado de acordo com a quantidade de metros quadrados movimentados irregularmente", disse o secretário de Meio Ambiente de Guarulhos, Alexandre Kise. A CDHU é a dona do terreno. Para a Febem, o embargo, assim como aconteceu em Osasco e Jacareí, tem motivações políticas, uma vez que os administradores desses municípios pertencem ao PT. Mesmo assim, garantiu que amanhã cedo os advogados do Fundação e da construtora apresentariam todos os documentos exigidos pela Prefeitura para continuar com a obra. Segundo a fundação, a Prefeitura estava ciente da obra, assim como os moradores da região, que segundo a instituição foram ouvidos em uma reunião em novembro lá mesmo no terreno da obra. A área que tem cerca de 60 mil metros quadrados, será utilizada para a construção de três unidades independentes com capacidade para 40 internos e 16 vagas rotativas em cada um. Guarulhos é a segunda cidade a enviar mais adolescentes infratores para a Febem. No total, há 125 internos do município nos complexos do Tatuapé, zona leste de São Paulo, e Vila Maria, na zona norte. De acordo com o secretário Kise, o único documento que a construtora responsável pela obra apresentou para os fiscais foi o contrato assinado com a Febem. "Não havia também o alvará de construção." Ele afirmou que os moradores da região é que denunciaram a obra à Prefeitura. "Há muita resistência da população, pois ninguém quer ser vizinho da Febem." A nova unidade estava sendo construída no bairro Aracília, perto do limite de Guarulhos com as cidades de Arujá e Itaquaquecetuba. "Caso a empresa retome as obras, além da multa, os equipamentos serão apreendidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.