Prefeitura de Mariana estima danos materiais em R$ 100 milhões

Valor, segundo o prefeito, contabiliza prejuízos públicos e também as casas atingidas pela lama após o rompimento das barragens

Bruno Ribeiro, Enviado especial

11 Novembro 2015 | 18h13

MARIANA (MG) - O prefeito de Mariana, Duarte Júnior (PPS), disse que o prejuízo causado pelo rompimento das barragens da mineradora Samarco na semana passada chagará a "pelo menos R$ 100 milhões". O valor, segundo o prefeito, contabiliza prejuízos públicos e também as casas atingidas pela lama após o rompimento das barragens.

"A secretaria de obras fez esse primeiro levantamento", disse. "Ele inclui duas escolas, 15 pontes, pelo menos 50 piquetas (passarelas para travessia de córregos) e 250 casas", afirmou Duarte Júnior.

As declarações foram dadas após pronunciamento dos presidentes das empresas Vale, Murilo Ferreira, e BHP Billiton, Andrew Mackenzie, que anunciaram a criação de um fundo privado para dar suporte à Samarco na reparação aos danos.

O prefeito afirmou ainda que pretende criar uma câmara, envolvendo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e sindicato dos trabalhadores da região, para acompanhar as despesas caso o recurso seja disponibilizado. "Queremos fazer tudo com transparência", completou.

O prefeito disse que os animais e terras produtivas perdidas não entraram na conta, mas garantiu que, na avaliação da prefeitura, o valor cobrirá também os danos ao meio ambiente causados pelo acidente.

Duarte afirmou ter recebido telefonema de Dilma, afirmando que irá à cidade nesta quinta-feira, 12.  

Mais conteúdo sobre:
SamarcoMinas Gerais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.