Prefeitura de Santa Cruz tenta isolar piranhas em lago

A prefeitura de Santa Cruz da Conceição está estudando meios de isolar as piranhas que têm atacado banhistas na principal atração da cidade no verão, a Prainha, um lago artificial de cerca de 11 alqueires, na região central. Segundo o diretor do Departamento Municipal de Segurança, Trânsito e Defesa Civil, tenente Olivar José Carvalho, será instalada no lago uma rede de malha fina. Com a rede, a Defesa Civil fará um arrastão para isolar as piranhas em uma das margens do lago, em aproximadamente 30 metros. Carvalho comentou que os banhistas ainda irão dispor de 170 metros de margem para se divertir. Segundo ele, a malha fina não permitirá que as piranhas saiam do isolamento, nem se machuquem nos vãos da rede. O diretor comentou que a medida ainda está em estudo e será submetida à análise de ambientalistas. No sábado, quatro pessoas, inclusive uma criança, foram atacadas pelos peixes. No final de semana anterior houve outros dois ataques. As piranhas chegam à represa pelo afluente Ribeirão do Roque. Não há levantamento de quantos ataques já ocorreram na Prainha, conforme Carvalho. Mas a prefeitura instalou no local um posto médico com enfermeiro e ambulância. De acordo com ele, o local chega a ser freqüentado por até três mil pessoas nos finais de semana de calor. A cidade, conforme o diretor, tem 4,5 mil habitantes, e não três mil, como havia informado a Polícia Militar. Ele também explicou que o concurso para captura de peixes, no final do mês passado, não foi cancelado e premiou dois pescadores, com um barco e um motor, que pescaram respectivamente 18 e 8 piranhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.