Prefeitura de Sorocaba despeja invasores

A prefeitura de Sorocaba vai despejar 140 famílias que, há cinco anos, ocupam uma área verde no Jardim do Carmo, na periferia da cidade. Os 675 moradores estão sendo notificados para deixar a gleba espontaneamente, a fim de evitar o despejo forçado. Às famílias que residem em barracos de madeira, o setor de fiscalização de áreas públicas da prefeitura está dando prazo de 30 dias para a desocupação. Os moradores que já construíram casas de alvenaria, e que são a maioria, estão sendo intimados a abandonar o local em 60 dias. Segundo o aposentado Antônio Messias, os fiscais da prefeitura informaram que as casas serão derrubadas. O vereador Raul Marcelo (PT) foi procurado pelos moradores para intermediar as negociações entre os ocupantes e a municipalidade: "Estamos propondo que a prefeitura permita a permanência das famílias na área e legalize a situação do núcleo", disse. Por se tratar de ocupação irregular, o pequeno bairro não é dotado de benfeitorias como água encanada, rede domiciliar de esgotos e iluminação pública. Caso isso não seja possível, o vereador acha que as famílias devem ser incluídas em algum programa de habitação popular. O secretário da Cidadania, Walter José Nunes de Campos, disse que a prefeitura tem obrigação de reaver as áreas públicas invadidas. Segundo ele, as famílias poderão inscrever-se nos programas habitacionais do município, inclusive o que prevê o reassentamento de moradores de áreas de risco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.