Prefeitura de SP define plano para desenvolver zona Leste

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), definiu hoje um programa de desenvolvimento econômico para a zona Leste da cidade orçado em R$ 700 milhões, a ser iniciado ainda nesse primeiro semestre de 2003. Para levar adiante os empreendimentos, a prefeitura pretende firmar parcerias com os governos federal e estadual e iniciativa privada. O projeto soma forças com outro programa do governo estadual de estimular o desenvolvimento da região com a instalação de um campus da Universidade de São Paulo (USP), além da instalação de uma unidade da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatec).A idéia é de desenvolver áreas de infra-estrutura, educação e desenvolvimento tecnológico na região da cidade habitada por 3,3 milhões de pessoas, cerca de 33% da população paulistana, e onde estão concentrados aproximadamente 40% dos desempregados da capital, conforme dados do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese).Segundo a Prefeitura, os projetos de infra-estrutura envolvem a conclusão da avenida Jacu-Pêssego, interligando-a às regiões norte e sul da cidade. A avenida Radial Leste será estendida até Guaianazes e a avenida Ragueb Chohfi será duplicada. Já o Paulistão (ex-Fura-Fila) chegará até a Cidade Tiradentes.No segmento educacional e de desenvolvimento tecnológico, a prefeitura pretende instalar na região uma instituição de ensino superior, em parceria com o Ministério da Educação. Além disso, pretende criar um centro de capacitação profissional e um parque de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, em parceria com a iniciativa privada.Outra iniciativa será a de articulação dos projetos da Prefeitura paulistana com programas similares de outros municípios instalados na mesma região, como Guarulhos e Grande ABC. Além disso, Marta diz ser possível entrar em entendimento com o governo federal para a cidade de São Paulo ser envolvida na política industrial, tecnológica e regional do governo federal, com ações estratégicas voltadas para a substituição de importações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.