Prefeitura de Teresópolis inicia cadastramento de desabrigados

Chuvas provocaram deslizamentos na região serrana do Rio; ao menos cinco morreram

Agência Estado

07 Abril 2012 | 16h11

 

RIO - A prefeitura de Teresópolis já iniciou o processo de cadastramento das mais de 400 pessoas que ainda continuam desalojadas na cidade, depois de terem sido retiradas de suas casas devido ao temporal que atingiu a região serrana do Estado, no fim da tarde desta sexta-feira.

 

De acordo com informações da Agência Brasil, o objetivo da prefeitura de Teresópolis é identificar as vítimas e levantar as necessidades de cada família, como o recebimento de cestas básicas, o abastecimento de água e o pagamento de aluguel social. A Agência Brasil informa ainda que, paralelamente, a Prefeitura está solicitando a doação de gêneros de primeira necessidade para atender à população afetada, principalmente água, colchonetes e cestas básicas.

 

Dados da prefeitura indicam que o forte temporal da Sexta-feira Santa registrou, em apenas quatro horas, 160 milímetros (mm), volume esperado para todo o mês de abril, matando cinco pessoas. Neste sábado, o sol predominou em praticamente toda a região serrana do Rio.

 

Em nota, o governador Sérgio Cabral disse lamentar profundamente as mortes ocorridas por causa das fortes chuvas em Teresópolis. Cinco pessoas morreram após deslizamentos de terra na cidade, devido ao temporal. "Colocamos toda a estrutura do governo à disposição do prefeito (de Teresópolis) Arley Rosa", disse Cabral, em comunicado enviado à imprensa.

 

O secretário estadual de Defesa Civil, coronel Sérgio Simões, e o presidente da Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop), Ícaro Moreno Júnior, fizeram um sobrevoo de helicóptero para avaliar os danos causados pela chuva. Segundo Ícaro, os bairros de Pimentel, Rosário, Perpétua e Vale da Revolta foram os mais atingidos.

 

A Prefeitura do Rio enviou uma equipe de emergência para ajudar na operação de rescaldo e limpeza, que deve durar quatro dias. O Corpo de Bombeiros também enviou 30 homens que atuam na capital para reforçar a equipe em Teresópolis. Ao todo, 150 militares trabalham na operação de limpeza e ajuda às vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.