Reprodução/TV Globo
Reprodução/TV Globo

Prefeitura do Rio inicia internação forçada de adultos viciados em crack

Recolhimento compulsório começou nesta madrugada com megaoperação na Avenida Brasil, zona norte da cidade

O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2013 | 11h08

RIO - A Prefeitura do Rio deu início nesta terça-feira, 19, de madrugada à internação compulsória de adultos viciados em crack com uma megaoperação na cracolândia localizada às margens da Avenida Brasil, uma das principais vias expressas da cidade, na altura da Favela Parque União, no Complexo da Maré, zona norte. A medida havia sido anunciada em outubro de 2012 pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB), e ainda divide opiniões em relação à sua constitucionalidade.

Dezenas de viciados, entre eles crianças e mulheres grávidas, foram acolhidos e levados a um abrigo da Prefeitura em Paciência, zona oeste, onde estão sendo avaliados por equipes da Secretaria de Saúde. A entrada da Favela Parque União tornou-se a maior cracolândia da cidade após a pacificação da Favela do Jacarezinho, também na zona norte.

A ação desta terça-feira, iniciada de madrugada, contou com agentes da Secretaria Municipal de Assistência Social, policiais militares dos batalhões de Choque, de Operações Especiais (Bope) e da Maré, além de policiais civis, guardas municipais e funcionários da Comlurb. 

Para a realização da operação, as quatro pistas da Avenida Brasil chegaram a ser fechadas por aproximadamente uma hora - para evitar que viciados em fuga fossem atropelados. Como de costume, houve correria com a chegada dos agentes e policiais ao local.

Após o recolhimento de materiais utilizados como moradia pelos usuários, o espaço foi ocupado pela Polícia Militar, que manterá uma viatura no local. Um posto móvel para o acolhimento voluntário de dependentes da droga foi implantado no mesmo espaço.

Funcionários da Rio Luz, empresa municipal de iluminação pública, instalaram refletores no local. Antes da operação na cracolândia, a Polícia Militar ocupou as favelas Parque União e Nova Holanda, na Maré, a fim de evitar represálias de traficantes. Houve intensa troca de tiros e dois policiais do Bope ficaram feridos por estilhaços. Uma pistola foi apreendida.

Mais conteúdo sobre:
rio internação forçada cracolândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.