Prefeitura do Rio quer processar produtora dos "Simpsons"

O secretário municipal de Turismo, José Eduardo Guinle, quer que a Fox Cable International, produtora do desenho animado Os Simpsons, destine o lucro arrecadado com o episódio "Blame it on Lisa", exibido há uma semana pela tevê americana, às obras sociais da prefeitura do Rio. O episódio conta a história de um órfão carioca, que vive no Orfanato dos Meninos Imundos, local que sofre constante ataques de macacos. "Se eles estão tão preocupados com os órfãos brasileiros, com a situação de pobreza dos nossos meninos, que destinem o lucro com o episódio para as obras sociais da prefeitura", desafiou o secretário, que estuda entrar com um processo na Justiça americana por perdas e danos. Guinle disse entender que a tônica de Os Simpsons é a sátira. "Mas não posso admitir que a imagem da cidade seja denegrida dessa forma. E usar órfãos para fazer sátira é no mínimo deselegante", disse. O secretário solicitou à produtora americana, na última sexta-feira, uma cópia da fita do desenho para análise. Ele também pediu ao Departamento Jurídico da secretaria que entrasse em contato com um escritório de advocacia nos Estados Unidos para estudar qual a melhor forma de processar a Fox. O secretário lembrou que investiu R$ 18 milhões nos últimos quatro anos para divulgar a imagem do Rio no Exterior. "Esse desenho está retomando de forma agressiva algo que já estava esquecido há muito tempo. Na década de 50, acreditava-se que havia jacaré na Avenida Atlântica (Copacabana)", criticou. No ano passado, 220 mil americanos estiveram no Rio. Os Simpsons visitam o Rio depois que Lisa passa a se corresponder com um órfão brasileiro, Ronaldo. O garoto desaparece e motiva a viagem da família ao Brasil. O episódio ironiza a vida na cidade. O transporte público é substituído por uma fila de dançarinos de conga, órfãos são vítimas de ataques de macacos, Bart Simpson é engolido por uma jibóia no Pão de Açúcar, e ratos impedem que pedestres atravessem a rua. A violência na cidade também é lembrada. Homer Simpson é seqüestrado por um motorista de táxi e é assaltado por menores de rua na orla. Quando Marge vai à delegacia dar queixa do seqüestro do marido, ela é assediada pelo policial. O desenho satiriza ainda as confusões cometidas pelos americanos em relação aos países da América do Sul - além de a conga aparecer como dança típica brasileira, Bart estuda castelhano antes de chegar ao Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.