Prefeitura fecha três asilos em São José

Manter asilos clandestinos na própria casa virou meio de vida para pessoas que não têm emprego ou renda fixa. Em São José dos Campos, os asilos deste tipo cresceram muito e estão dando trabalho à administração pública.Em duas semanas, três casas de repouso que funcionavam de forma irregular, com péssimas condições de higiene e infra-estrutura foram fechadas.As pessoas decidem transformar a própria casa em asilo, pegam a aposentadoria dos idosos e ainda contam com a generosidade de vizinhos e da comunidade."Fazem desta aparente caridade um negócio, que traz lucros e renda mensal", diz o diretor do Departamento de Ação Social da prefeitura, João Francisco Sawaya de Lima. A cidade tem hoje 15 locais clandestinos onde vivem cerca de 130 idosos, e apenas quatro regularizados, que abrigam 200 pessoas.Sawaya de Lima reconhece que os locais regularizados são poucos, mas informa que a prefeitura estuda a criação de um asilo municipal e parcerias com os demais para aumentar o número de vagas.As casas fechadas apresentavam péssimas condições de higiene, não ofereciam infra-estrutura adequada nem profissionais, como médicos, enfermeira ou nutricionista. Isso sem contar as denúncias de maus-tratos."Não basta apenas uma cama para cuidar do idoso", avalia Lima. As denúncias de maus-tratos foram levadas ao Ministério Público e serão investigadas pela Polícia Civil."Vamos fechar todas as casas clandestinas e inibir qualquer outra", avisa Lima. Além dos asilos, creches clandestinas também são alvo de fiscalização na cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.