Prefeitura muda pagamento de tapa-buracos

A Prefeitura de São Paulo vai mudar a forma de pagamento das empresas prestadoras de serviços de tapa-buracos nas 28 administrações regionais da cidade. Segundo o secretário de Implementação das Subprefeituras, Arlindo Chinaglia, o objetivo é pagar pelo serviço prestado e não pelo número de pessoas que vão realizá-lo, como ocorre atualmente. "Eu não acho que a contratação de equipes seja a melhor maneira de iniciar um trabalho", avaliou. "O melhor é contratar o serviço total e pagar por ele."Para Arlindo Chinaglia, o primeiro efeito prático da medida será o fim do "fiscal que fiscaliza o fiscal". Para ele, a Prefeitura se concentrará em cobrar e conferir os serviços prestados pelas empresas.Essa medida foi anunciada na manhã deste sábado, na Praça Santíssima Trindade, na zona norte de São Paulo, onde se realizou o Primeiro Mutirão Casa Verde - Um Bairro Limpo. A atividade faz parte da Operação Belezura, projeto de limpeza da capital. A Secretaria de Implementação das Subprefeituras também está estudando a realização de uma auditoria contábil e financeira nas 28 administrações regionais. O estudo seria uma forma de complementar o combate à corrupção na máquina municipal - no total, 16 funcionários já foram afastados nas regionais de Santo Amaro (zona sul) e de Santana (zona norte) em apenas 28 dias de governo.Chinaglia disse que espera contar com a ajuda da polícia e do Ministério Público Estadual (MPE) no combate à corrupção. "Eu tenho vocação para fazer (a auditoria), mas estou avaliando neste momento custo e benefício." O secretário não soube informar ontem se a auditoria seria feita por uma empresa particular contratada pela secretaria ou pela própria Prefeitura de São Paulo.Novos contratosO secretário de Implementação das Subprefeituras, Arlindo Chinaglia, disse que nesta segunda-feira serão assinados novos contratos de tapa-buracos, já levando em conta a nova lógica (pagamento por tarefa, não por equipe).Segundo ele, a cidade será divida em seis módulos de trabalho para uma megaoperação que vai durar uma semana. "Vamos intensificar a operação de tapa-buraco em todas as regionais da cidade", salientou. "Faltam apenas esses acertos finais", afirmou.Neste sábado, Chinaglia adiantou que dentro das "mudanças" que pretende implementar nas administrações regionais da cidade de São Paulo está o treinamento dos administradores que assumiram este ano com a nova gestão. "A forma de trabalho hoje não é adequada", disse Chinaglia. O objetivo dele é preparar esses administradores para a criação das subprefeituras - um dos projetos da prefeita Marta Suplicy (PT).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.