Prefeitura não foi notificada

Procurada no início da noite de ontem, logo após a liminar que suspendeu a licitação dos radares ser publicada no site do Tribunal de Justiça, a Secretaria Municipal de Transportes (SMT)pediu à reportagem que publicasse uma nota enviada anteriormente, sobre inquérito policial que trata de licitação de radares. Sobre a suspensão dos radares na Justiça, informou que ainda não foi notificada da decisão. Em relação ao inquérito instaurado para apurar denúncias de fraude na licitação dos radares fixos, a pasta afirma que o edital não limitou o tipo de tecnologia dos equipamentos para garantir ampla competitividade. "Por isso (o edital) não exigiu a autorização da Anatel, uma vez que não havia como saber antecipadamente qual tecnologia seria vencedora, e muitas delas dispensam a apresentação da autorização", afirma a nota do governo. A SMT ainda afirma que a Engebrás, que moveu a ação que resultou no inquérito, estaria cobrando pelo serviço de radares preço 50% maior do que o valor contratado após a licitação. Ao promover a licitação, encerrar o contrato emergencial com a Engebrás e contratar novas prestadoras de serviços, a SMT obteve uma economia de R$ 8 milhões por ano no preço pago pelos radares fixos, segundo o governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.