Prefeitura proíbe novas permissões a camelôs

Depois de reforçar ações para combater ambulantes clandestinos, a Prefeitura decidiu não legalizar mais nenhum camelô de São Paulo. Uma portaria publicada ontem no Diário Oficial determinou que, por um ano, todas as 31 subprefeituras estão proibidas de emitir Termos de Permissão de Uso (TPUs), que regularizam a atividade.''''A tendência é que todo comércio de rua vá para dentro dos estabelecimentos. O que é espaço público, deve ser do público'''', disse o secretário de Coordenação de Subprefeituras, Andrea Matarazzo. ''''São Paulo precisa formalizar sua atividade comercial'''', disse, ao falar que os 5.300 TPUs em vigor são suficientes e que ''''grande parte dos camelôs sem o termo vende produtos contrabandeados''''.A medida revoltou os ambulantes. ''''Com certeza vai aumentar o número de camelôs irregulares'''', disse o presidente do Sindicato dos Permissionários, José Gomes, que quer negociar com a Prefeitura ainda esta semana. Afonso José da Silva, presidente do Sindicato Independente dos Camelôs, prometeu protesto na manhã de hoje, em frente à casa do prefeito Gilberto Kassab (DEM), nos Jardins, zona sul.Kassab amenizou. ''''Vamos encontrar ''''popcentros''''. O que não pode é vender mercadoria contrabandeada'''', disse o prefeito.

Camilla Haddad e Fernanda Aranda, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2015 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.