Prefeitura quer evitar que placas de piche sujem praias de Ilhabela

As placas de piche que atingiram as praias de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, na última sexta-feira foram, provavelmente, espalhadas por navios durante a limpeza de seus porões, segundo a prefeitura da cidade. A sujeira atingiu principalmente a areia das praias de Castelhanos - consideradas uma das mais bonitas da cidade -, Barra Velha e Deck, causando transtornos ao turista. "O impacto é mais visual do que ambiental" disse a secretária municipal de Meio Ambiente Cássia Redó.Esta foi a segunda vez, em um ano, que placas de piche, espalhadas por navios, sujam as praias da cidade. Por este motivo, a prefeitura quer que o Terminal Almirante Barroso, da Petrobras, que fica em Ilhabela, monitore as praias diariamente. "Nenhum navio faz a limpeza em poucas horas. Eles demoram até dias para limpar e isso poderia ser combatido com fiscalização" disse Cássia.A fiscalização das praias está no Plano de Contingência elaborado numa parceria entre prefeitura e a empresa estatal. A primeira etapa, que era a capacitação de moradores para ajudar em caso de vazamento de óleo, já foi feita. "Foram capacitados 430 pessoas. Mas agora queremos que haja uma base fixa nas praias para monitorar os navios".Segundo a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) não houve impacto ambiental. A assessoria de imprensa informou que só depois da análise do produto ? feita pela Petrobras - o órgão poderá dizer quem foram os responsáveis pelo descarte do produto no mar.Um grupo de 50 agentes fez a limpeza das praias, que durou cerca de dez horas, para que o piche não grudasse no corpo dos turistas. "Há dois meses foram necessários 110 pessoas para retirar todo o piche. E isso não pode mais acontecer" afirmou a secretária do Meio Ambiente.A Petrobras informou que monitora os navios que chegam ao terminal, mas que não pode fiscalizar todos os navios que tem como destino o porto de São Sebastião. A assessoria informou ainda que há uma vistoria antes do navio entrar no canal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.