Prefeitura quer proibir caminhões na Avenida dos Bandeirantes

Medida valeria após abertura do Trecho Sul do Rodoanel, que também permitiria restringir cargas nas Marginais

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

17 Julho 2009 | 00h00

O secretário municipal dos Transportes de São Paulo, Alexandre de Moraes, afirmou ontem que pretende proibir a circulação de caminhões na Avenida dos Bandeirantes e estuda "vedar" esses veículos na Marginal do Pinheiros. As medidas seriam tomadas assim que for inaugurado o Trecho Sul do Rodoanel - prometido pelo governo estadual para 29 de novembro. Além disso, a Prefeitura também pretende proibir os veículos de carga na Tietê em alguns horários. "Inaugurou o Rodoanel, vamos ampliar a proibição. Estamos analisando a vedação de caminhão em determinados horários nas Marginais. Queremos vedar na Pinheiros. E, na Tietê, em determinados horários" disse Moraes ontem, após a renovação do acordo de cooperação entre a Prefeitura e o Institute of Transportation and Development Policy (ITDP) para a elaboração de projetos de transporte para a cidade. O secretário não apresentou projetos nem informou detalhes sobre as restrições, como, por exemplo, se serão em período integral ou somente durante o dia na Marginal do Pinheiros. Na Tietê, Moraes afirma que todos os caminhões podem deixar de circular em determinados horários do dia - atualmente, eles obedecem a um sistema de rodízio de placas nos horários de picos. "Pedi um estudo de impacto para ver se é melhor (restringir a circulação) de manhã ou no horário de pico da noite. Estamos fazendo (levantamento de) origem e destino dos caminhões para ver quem roda só 2 ou 3 quilômetros (na Tietê). Podemos construir uma via alternativa", completa. Moraes, no entanto, foi enfático ao afirmar que a restrição na Avenida dos Bandeirantes será mais pesada. "Não vão mais passar caminhões. Com o Rodoanel, não há nada que explique caminhão na Bandeirantes." O secretário acrescenta que, por causa da restrição, não vai haver mais necessidade de ampliar a via e, por isso, sua pasta deu parecer contrário quando consultada sobre o projeto. "Das quatro faixas, duas vão ficar vazias." A restrição na Avenida dos Bandeirantes, no entanto, entra em choque com o maior e mais caro projeto da gestão Gilberto Kassab: o túnel que vai ligar a Avenida Roberto Marinho à Rodovia dos Imigrantes (que segue para o litoral sul). A obra orçada em R$ 2,2 bilhões pretende desafogar a Avenida dos Bandeirantes, que ficaria com o fluxo de caminhões e de uma parte dos veículos. Mas a maioria seguiria pela nova rota - onde os veículos de carga estarão proibidos. Os especialistas em engenharia de tráfego defendem a restrição na Avenida dos Bandeirantes, mas somente em alguns horários. "É quase natural que grandes caminhões passem a usar o Rodoanel. Mas os caminhões de médio porte vão querer chegar de modo mais fácil às estradas rumo ao Porto de Santos e vão continuar passando pela Bandeirantes. Por isso, entendo, que as futuras medidas não poderão ser radicais e passem a vigorar apenas nos picos", explica o consultor de trânsito Francisco Moreno Neto. Ele também destaca que as indústrias de regiões como Santo Amaro e Ipiranga, mais distantes e sem acesso direto ao Rodoanel, terão de utilizar as áreas restritas, o que inviabiliza a adoção de uma restrição mais radical. Ontem à noite, o prefeito Gilberto Kassab reforçou as declarações de Moraes sobre as novas restrições, mas de maneira evasiva. "Só falta alguém imaginar que, com a inauguração do Rodoanel, não teremos novas medidas." As entidades que representam o setor de carga foram procuradas, mas não se manifestaram. COLABORARAM NAIANA OSCAR, EDUARDO REINA e DIEGO ZANCHETTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.