Prefeitura vai recorrer contra liminares obtidas pela Shell

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Administração Regional do Ipiranga, informou hoje que vai recorrer à Justiça na tentativa de cassar as duas liminares obtidas na segunda-feira pela Shell, que suspenderam a interdição de um depósito da empresa na Vila Carioca, zona sul de São Paulo.O depósito apresenta problemas de contaminação por produtos químicos. Ontem, a Prefeitura interditou o local porque o alvará de funcionamento está vencido desde 1985, mas a Shell obteve na Justiça o direito de voltar a operar o depósito. A interdição durou apenas oito horas.A reação da Prefeitura, no entanto, não será imediata. Hoje, a regional Ipiranga informou que tem dez dias para tentar cassar as liminares.Os moradores vizinhos da Shell, assustados com a possibilidade de a contaminação oferecer risco à saúde, se surpreenderam com a rapidez com que a Shell obteve as liminares. "A gente jamais achava que ia acontecer isso", disse Edvirges Aparecida Ferreti. "É revoltante."Por sugestão do líder do governo municipal na Câmara, vereador José Mentor (PT), a CPI dos Postos de Combustíveis pediu uma audiência com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) para tratar do assunto. O objetivo é pedir ao governador maior empenho por parte dos órgãos estaduais na investigação da contaminação do solo e do lençol freático na área do depósito.Risco de contaminaçãoO secretário de Estado do Meio Ambiente, José Goldemberg, em entrevista à Rádio Eldorado, comentou o levantamento realizado pela secretaria, que apontou risco de contaminação por combustível em 255 áreas de São Paulo.Ele disse que ainda não foi possível estabelecer o grau de periculosidade que eles representam para a população. Quanto ao depósito da Shell, o secretário afirmou que o problema foi descoberto há pouco tempo e ainda não foi possível avaliar a gravidade da situação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.