Premier de Timor chama assassinos de brasileiro de ´animais´

O primeiro-ministro de Timor Leste, José Ramos Horta, chamou de "animais" os jovens que mataram os missionário brasileiro Aurélio Edgard Brito, de 32 anos, no domingo, em Díli. Nesta quarta-feira, Horta pediu aos jovens do país que acabem com a violência causada pelo conflito entre os grupos nascidos no leste e no oeste de Timor.Para ele, o incidente demonstra que alguns membros da sociedade timorense não querem a paz."O Timor Leste perdeu sua dignidade diante da comunidade internacional porque nossos jovens mataram um inocente missionário brasileiro que se dedicava à paz do país", declarou, em entrevista coletiva.O brasileiro Edgar Gonçalves Brito se tornou a primeira vítima estrangeira da onda de violência que afeta Díli há sete meses. No dia 19 de novembro, ele foi assassinado por um grupo de jovens no bairro de Comoro.Ramos Horta afirmou que o Governo não vai perder a esperança e continuará procurando a reconciliação nacional através do diálogo entre os diferentes setores da sociedade."O diálogo nacional é a única maneira de conseguir a união nacional, que não virá pela violência", ressaltou o dirigente.A organização de defesa dos direitos humanos Yayasan HAK avisou nesta quarta-feira que a violência continuará até que o governo atenda às necessidades dos jovens do país. José Luis Oliveira, diretor-executivo do grupo, declarou que o diálogo de reconciliação nacional só minimiza a tensão criada pelo conflito entre os "lorosae", do leste, e "loromonu", do oeste da ilha.Ele pediu ao governo um programa para os jovens do país que crie oportunidades de trabalho e atividades construtivas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.