Presa a ex-mulher do seqüestrador Andinho

Luciana Bernardino de Seixas, ex-mulher de Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, foi presa nesta tarde em Campinas, acusada de tráfico de entorpecentes, um dia depois de dar à luz uma menina. Policiais da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) de Campinas, chefiados pelo delegado Marcos Casseb, efetuaram a prisão. Luciana estava internada em uma maternidade da cidade, cujo nome a polícia não divulgou, e foi detida logo após ter tido alta médica. Os policiais a encaminharam para a Dise, onde a acusada foi interrogada por Casseb. Segundo os policiais, a Justiça concedeu um mandado de prisão preventiva contra Luciana, a partir de investigações decorrentes de um flagrante registrado no dia 24 do mês passado. Cinco pessoas foram presas com 33 quilos de maconha, em Campinas. O nome da ex-mulher de Andinho e de um outro acusado, cuja identidade a polícia mantém em sigilo até que ele seja capturado, surgiu nesse inquérito, explicaram os investigadores. A polícia não revelou detalhes sobre as investigações e não informou o destino de Luciana depois do depoimento. Investigadores da Delegacia Anti-Seqüestros de Campinas (Deas) afirmaram que não há nenhum indício da participação dela nos seqüestros cometidos por Andinho, que está preso desde o final de fevereiro. O advogado da ex-mulher de Andinho, Oclair Baccaglini, disse ter ficado surpreso com a prisão. Ele afirmou, no início da noite, que ainda "estava se inteirando do caso". O advogado contou estar preocupado com a saúde de Luciana. "Ela pode ter complicações porque seu parto foi ontem". Baccaglini disse que estava em busca dos autos no Fórum de Campinas, para saber qual a acusação contra Luciana. "Não posso falar mais nada, porque desconheço o inquérito". As duas filhas de Luciana, inclusive a recém-nascida, ficaram sob cuidados de parentes. A mais velha, de cinco anos, é filha de Andinho. Mas o advogado não quis dizer se a menina nascida ontem também é filha do seqüestrador. Ele afirmou que Luciana e Andinho estão separados desde o final do ano passado. A casa onde Luciana mora, em Atibaia, avaliada em R$ 500 mil, está em seu nome. Ela teria sido comprada por Andinho com dinheiro de resgates, conforme a Deas. Em um dos cativeiros da quadrilha do seqüestrador, a polícia encontrou também uma nota fiscal de um jet-ski no nome da acusada. O advogado de Luciana garantiu, porém, que os bens foram comprados por ela, que comprovou a origem do dinheiro à polícia. O jet-ski foi furtado no final do ano passado.

Agencia Estado,

18 de abril de 2002 | 19h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.