Presa acusada da morte de juiz de Presidente Prudente

A polícia prendeu no sábado mais uma mulher de um integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC), acusada de participar do assassinato do juiz-corregedor de Presidente Prudente, Antônio José Machado Dias, no último dia 14.Jaqueline Maria Afonso Amaral foi presa após visitar o marido, Júlio César Guedes Moraes, o Julinho Carambola, um dos chefes da facção criminosa, na Penitenciária de Presidente Bernardes.Jaqueline foi presa às 13h30 por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Presidente Prudente e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ela estava acompanhada do sogro, Sebastião da Silva Moraes. Ele foi liberado após a uma hora do domingo.Ela foi autuada em flagrante por formação de quadrilha - com Jaqueline foi encontrado material do PCC -, além de ter tido prisão temporária decretada por 30 dias pelo suposto envolvimento no assassinato do juiz.Julinho Carambola é homem de confiança do líder máximo do PCC, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, que, segundo a polícia é quem ordenou o assassinato do juiz.A prisão de Jaqueline é mais um passo nas tarefas que faltam à polícia, de identificar e prender as pessoas que participaram ou auxiliaram de alguma forma o planejamento do crime. Os executores já foram identificados - Adilson Daghia, o Ferrugem, Ronaldo Dias, o Chocolate, e um homem conhecido como Funchal -, mas ainda não foram presos.Outras pessoas responsáveis por enviar mensagens entre os criminosos - chamados de pombos-correio - ainda estão sendo identificadas. Entre os suspeitos, estaria pelo menos um advogado. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.