Presa dupla que participava de raptos em série em SP

Dois integrantes de uma quadrilha de seqüestradores, formada por pelo menos dez homens, foram presos no final da noite desta quinta-feira no bairro do Sapopemba, zona leste da capital paulista, por agentes da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) da cidade de Santo André. A última vítima a passar pela mãos dos seqüestradores foi o auxiliar-administrativo João Pereira da Silva, liberado pelos criminosos ainda nessa mesma noite, após pagamento de resgate.Segundo os agentes da Dise, que vinham investigando essa quadrilha há meses, os dois bandidos que permanecerão presos, os irmãos Odnei e Fábio Baltazar, fazem parte de um bando que usa pelo menos duas casas como cativeiro na região do Sapopemba. Uma delas, na Rua Boa Família, nº 501, quase na divisa com Santo André, é a que foi usada para manter cativo o auxiliar-adimistrativo. "Ameaçaram cortar minha orelha", disse o rapaz. A vítima, que foi seqüestrada junto com uma amiga na noite de quarta-feira, voltou nesta madrugada junto com os policiais para o local onde ficou nas mãos dos criminosos.O dono do imóvel e o casal que nela morava e que a emprestou para a quadrilha usar como cativeiro continuam desaparecidos. No total, os agentes da Dise detiveram cinco pessoas durante as diligências, assim que Silva foi solto pelos bandidos, mas apenas os dois irmãos permanecerão presos, pois foram reconhecidos. Essa quadrilha, segundo a polícia, é responsável por inúmeros seqüestros e raptos em série. Na maioria deles, os valores do resgate são pequenos e podem ser pagos até em objetos de valor.Ainda, segundo o auxiliar-administrativo, horas depois dele e a amiga chegarem ao cativeiro, outra parte do bando apareceu com mais um seqüestrado, indicando que o grupo negociava mais de um seqüestro ao mesmo tempo. Os agentes da Dise acompanharam o caso durante todo o tempo em que João Pereira da Silva ficou refém do bando e, assim que a família avisou a Dise sobre a soltura do rapaz, os policiais saíram em diligência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.