Presa e bebê são resgatados de maternidade

A presa Adriana Silva, de 22 anos, foi resgatada nesta madrugada do Hospital e Maternidade Municipal Dr. Silvério Fontes, em Santos, cerca de 14 horas após dar à luz a um menino. O segurança da maternidade desconfiou de uma mulher supostamente grávida, acompanhada de quatro homens, que se dirigiram à recepção, simulando uma internação. Abordados, eles mostraram as armas e anunciaram o resgate, às 3h da madrugada. Numa ação rápida, desligaram as linhas telefônicas, recolheram aparelhos celulares e trancaram o vigia, recepcionistas e funcionários da enfermagem no andar térreo. Seguiram então para o terceiro andar, onde estavam internados Adriana e o bebê, além de outras 17 pacientes. A carcereira Elisa Aparecida de Moreira, responsável pela escolta da presidiária, foi agredida a coronhadas, desarmada e obrigada a soltar Adriana, que estava algemada na cama.Adriana estava presa desde quarta-feira na Cadeia Feminina por tráfico de drogas e porte ilegal de armas. Ela foi presa em flagrante com oito papelotes de cocaína e uma pistola 9 milímetros, com munição. Segundo o diretor técnico da maternidade, Marco Sérgio Duarte, Adriana deveria ficar em repouso pelo menos durante 48 horas pois fez uma cesariana. De acordo com investigadores do 5º Distrito Policial, um dos integrantes da quadrilha que praticou o resgate, afirmando ser o pai da criança, é E.T., de 17 anos. Ele pertence a uma das mais violentas gangues que atuam no Morro do Tetéu, em Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.