AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Presa em Campo Grande mais uma quadrilha do PCC

Foi presa, em Campo Grande, mais uma facção do Primeiro Comando da Capital. A quadrilha foi apresentada à imprensa nesta terça-feira, na sede do Grupo Armado de Repressão a Roubos, Assaltos e Seqüestros. Ela é responsável pelo assassinato do advogado criminalista e ex-vereador de Campo Grande, William Macksoud, ocorrido no dia 5 do mês passado dentro do escritório da vítima, situado no centro da cidade.Segundo confessaram os acusados, a execução foi a mando da organização criminosa, porque "o dr. William recebeu mais de R$ 100 mil para defender um cliente e ficou em débito com a organização". Os presos são: Isael Leite, Luiz Fernando Osório, Viviane Kelin Leite, Adrilene da Silva Gomes e Edilene Botelho Braga. Eles têm passagem na polícia por tráfico de droga e formação de quadrilha, conforme consta de levantamento policial.Entre os presos, Viviane e Edilene são filhas de José Cláudio Arantes, detento transferido para Naviraí depois de participar da liderança da rebelião no Estabelecimento Penal de Segurança Máxima de Campo Grande, dia 14 último. Arantes, conhecido também como "tio Arantes", é tido pela polícia como um dos líderes do Primeiro Comando da Capital em Campo Grande.As prisões tiveram início de segunda-feira, por volta de 12h, quando foi preso Luiz Fernando Osório, que estava na garupa de um mototáxi na Avenida Duque de Caxias, altura do bairro Santo Antônio, área central da capital. Ele seguia para Três Lagoas, na divisa com São Paulo, com 27 quilos de maconha prensada em tabletes. A droga tinha a sigla do PCC escrita na embalagem. A partir de Osório a polícia prendeu Isael, em casa junto com as três mulheres. Foram apreendidos com eles seis aparelhos celulares, uma balança e equipamentos usados para consumo de droga.É o segundo desfalque contra o PCC em menos de uma semana. No último dia 25, a Polícia Federal prendeu em Coxim, região norte do MS, no Pantanal e em Campo Grande, 300 quilos de cocaína pura. A droga foi adquirida por José Severino da Silva, conhecido como "Cabecinha do PCC". Foram feitas três prisões em Coxim e três em Campo Grande. Ele é o "cabeça" do narcotráfico do PCC, mas está foragido desde dezembro último, quando ganhou indulto de natal. Estava preso em Minas Gerais.

Agencia Estado,

30 de maio de 2006 | 21h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.