Presa em flagrante auditora fiscal acusada de extorsão

O Ministério da Previdência Social anunciou nesta sexta-feira a prisão em flagrante de uma auditora fiscal em São Paulo por crime de concussão (extorsão ou peculato cometido por funcionário público no exercício de suas funções), que pode resultar em pena de reclusão de dois a oito anos.Segundo o secretário-executivo do ministério, Álvaro Solon, a auditora Isabel de Oliveira Evangelista da Silva, de 49 anos, funcionária do INSS desde 1987, pediu R$ 1,5 milhão a uma empresa que fiscalizava para reduzir o valor que a companhia devia à Previdência.O secretário forneceu poucos detalhes do flagrante realizado nesta sexta no shopping Plaza Sul em São Paulo. Sem revelar o nome da empresa que denunciou o golpe, Solon informou que o flagrante foi montado a partir de uma gravação feita pelas vítimas e que a funcionária já havia sido advertida por conduta irregular em outubro do ano passado.O secretário disse que a Previdência está intensificando a fiscalização da conduta de seus funcionários em todo o País. Segundo ele, este ano foram presos cinco funcionários e 19 fraudadores que não trabalhavam na Previdência.

Agencia Estado,

25 de abril de 2003 | 18h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.