Presa quadrilha de ladrões de caminhões. Mulher é a chefe

Três homens e duas mulheres foram presos pela polícia de Jaú, interior de São Paulo, que os identificou como membros de uma quadrilha de roubava caminhões e os vendia no Paraguai. As investigações vinham desde 2002, mas o grupo caiu a partir do último dia 25, quando assaltou o caminhoneiro Antonio Darcy Anézio. No dia seguinte, seu veículo foi apreendido numa blitz que se realizava em Nova Andradina (MS), em poder de Claudinei Alves Garcia, de 39 anos, que o conduzia rumo à fronteira paraguaia. Trazido a Jaú, com sua prisão temporária decretada, Garcia revelou à polícia que no dia do assalto esteve hospedado num dos hotéis da cidade. E o número de um telefone celular encontrado no seu bolso levou a Edna de Fátima Fim, que naquele dia veio buscá-lo no hotel e pagou a conta. Ela foi presa, no dia 16, em José Bonifácio, e na sua casa, os policiais encontraram anotações que os levaram a Monik Blanc, cujo marido cumpre pena na penitenciária de Mirandópolis e é investigada há dois anos por suposta participação em furto de caminhões.O delegado Edmilson Bataier, da Delegacia de Investigações Gerais de Jaú, tem Monik como chefe da quadrilha e já identificou também quem seria o receptador paraguaio, cujo nome será informado à polícia federal. O endereço de Monik, na própria cidade de Mirandópolis, foi descoberto junto às fichas de visita da penitenciária. Nasegunda-feira, os policiais foram à sua casa e a prenderam juntamente com Roberto Carlos Mendes e Marcianos Alves, fugitivos da penitenciária de Campo Grande (MS), seus comparsas. As duas mulheres estão na cadeia de Dois Córregos e os homens em Jaú.Segundo as informações levantadas, o bando ia para a estrada, escolhia o caminhão a roubar - sempre de acordo com a encomenda vinda do Paraguai -, o ultrapassava e montava a abordagem. Edna pedia carona e, quando o caminhoneiro parava para atendê-la, era dominado pelos dois homens.Alves levava o motorista para um cativeiro previamente preparado e Mendes, junto com as duas mulheres, seguia até um ponto de encontro passar o veículo ao encarregado de levá-lo até a fronteira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.