Presa quadrilha que usava nome de prefeitos para dar golpes

Policiais da Delegacia Anti-Seqüestro (DAS) de Sorocaba prenderam, na quarta-feira, integrantes de uma quadrilha que se faziam passar por prefeitos para extorquir dinheiro de empresários do interior. Eles chegavam a imitar as vozes dos prefeitos e pediam verbas para a construção de creches e entidades que atendem menores. Diziam que o dinheiro seria repassado ao Fundo Social de Solidariedade dos municípios.As vítimas, geralmente empresários interessados em licitações das prefeituras, acabavam entregando dinheiro para a quadrilha. A Polícia Civil entrou no caso a partir de uma denúncia do prefeito de Sorocaba, Vítor Lippi (PSDB). Há dois meses, sua secretária recebeu um telefonema de um empresário que pretendia confirmar o valor de uma verba que teria sido solicitada pelo próprio prefeito para uma creche. Como Lippi não tinha pedido verba alguma, desconfiou do golpe e entrou em contato com policiais do DAS.O delegado Wilson Negrão obteve autorização judicial para fazer escutas telefônicas e sua equipe conseguiu rastrear as ações dos estelionatários. Com mandados de prisão expedidos pela Justiça de Sorocaba, ele prendeu o chefe da quadrilha, José Arnaldo de Abreu, o Zezo, numa casa em Agudos, região noroeste do Estado. Outros três integrantes do bando foram presos na mesma cidade. A polícia já identificou mais três estelionatários envolvidos com o golpe.Entre as vítimas, estão principalmente empresários que prestam serviços ou fazem obras para prefeituras. "Eles escolhiam empresários interessados em licitações das prefeituras, que julgavam mais propensos a querer colaborar." Nas conversas com as vítimas, os bandidos imitavam a voz do prefeito. O estelionatário que usou o nome do prefeito de Sorocaba chegou a negociar o valor da extorsão. Quando o empresário perguntou se R$ 5 mil eram suficientes, ele pediu que a verba fosse aumentada para R$ 8 mil.O prefeito de Tatuí, Luiz Gonzaga Vieira (PSDB) também foi abordado pela quadrilha. Há suspeita de que a quadrilha estivesse agindo desde o ano passado. A Polícia ainda não apurou o montante extorquido pelo bando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.