Presas fazem exigências para acabar com rebelião em SP

As detentas que estão rebeladas desde ontem na Penitenciária Feminina do Estado, no Carandiru, zona Norte de São Paulo, fizeram diversas exigências, nest manhã, para colocar fim ao movimento. Segundo informação dada por Ariel de Castro, representante do Movimento Nacional dos Direitos Humanos e um dos que estão negociando com as amotinadas, elas reivindicam a transferência de 30 mulheres para outros presídios, não querem a entrada da Tropa de Choque da Polícia Militar no local e também exigem garantias de que não sofrerão represálias. Segundo a Rádio CBN, a situação dentro do presídio agora cedo é calma. A rebelião teve início supostamente por causa de uma disputa entre facções rivais. Uma presa foi morta a facadas na terça-feira. Outras oito mulheres continuam sendo mantidas reféns pelas rebeladas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.