AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Presas são resgatadas de penitenciária

Quatro presas foram resgatadas nesta terça-feira às 11 horas da Penitenciária Feminina do Butantã, na zona oeste de São Paulo.Na fuga, os bandidos atiraram num carro da Polícia Militar que os seguia e bateram num Corsa, que capotou. Ninguém ficou ferido nem houve recapturas.Presas por tráfico de drogas, roubo e estelionato, as mulheres estavam trabalhando na frente do presídio. A pé, atravessaram a rua e a Rodovia Raposo Tavares. Ali, dois homens em um Uno e outros dois em uma Pampa as aguardavam.Percebendo a fuga, os agentes da prisão saíram atrás das mulheres. Quando estavam alcançando uma delas, os bandidos começaram a atirar. "Eles estavam com revólveres e pistolas", disse o soldado do 16º Batalhão da PM Edílson de Oliveira Samuel.Samuel estava parado com seu Vectra em frente à unidade da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem), vizinha à prisão. O soldado pediu reforço e iniciou a perseguição aos bandidos.As mulheres entraram todas no Uno, e o grupo apanhou a estrada em direção ao Centro. "Eles quebraram o vidro traseiro e passaram a atirar."O PM jogou o Vectra atrás de um caminhão, que acabou sendo atingido pelos disparos. Os criminosos escaparam, apesar de outros carros das Polícias Civil e Militar, além de um helicóptero, terem participado das buscas.Mais tarde, a polícia encontrou a Pampa abandonada atrás do Centro de Detenção Provisória de Osasco, na Grande São Paulo. Na fuga, os bandidos que estavam na Pampa bateram no Corsa do estudante Tiago Pedroso, que capotou.Elizabete Correa Cerqueira, Neiva Vieira Brito, Solange Correa Gemin e Luciana Aparecida de Sá deviam cumprir pena em regime fechado, sem permissão para deixar a cadeia.O secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, mandou apurar quem autorizou o serviço externo.

Agencia Estado,

12 de junho de 2001 | 22h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.