Presença feminina não aumenta com Dilma no comando

A presidente Dilma Rousseff ampliou a participação feminina em seu ministério, mas isso não se reflete na elite do segundo escalão do governo.

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2011 | 00h00

Entre os detentores de cargos DAS 6, os de remuneração mais elevada, apenas 23,1% são mulheres - proporção ligeiramente inferior à observada no final do governo Luiz Inácio Lula da Silva (23,6%). Na faixa salarial imediatamente inferior (DAS 5), as mulheres são 26,3% - em dezembro passado, eram 24,9%.

Na base da pirâmide remuneratória, as servidoras ainda são minoria, mas sua participação supera a faixa dos 45%. Os dados são da edição de abril do Boletim Estatístico de Pessoal, publicação do Ministério do Planejamento.

Para especialistas e militantes pela igualdade de direitos entre os sexos, há um "telhado de vidro" que impede a ascensão profissional das mulheres no serviço público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.