Presidenciáveis falam sobre escândalo do dossiê em horário eleitoral

Os principais candidatos à Presidência da República citaram o caso da venda de um suposto dossiê no horário eleitoral gratuito na televisão.Alckmin exibiu novamente o programa veiculado na noite de terça-feira (19), no qual ele qualificou o episódio como "absurdo" e pediu um "basta aos escândalos". O candidato tucano citou Gedimar Passos e Freud Godoy, envolvidos no caso, mas, como o programa era uma repetição da apresentação de terça-feira, não foram mencionados os envolvimentos dos coordenadores das campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva, Ricardo Berzoini, e de Aloizio Mercadante, Hamilton Lacerda.O tucano ressaltou as suas realizações na área da segurança quando foi governador do Estado, e acusou Lula de ter sido omisso e não ter assumido sua tarefa para combater a violência. "O atual presidente simplesmente não fez a parte dele", atacou. Alckmin destacou a questão de policiamento de fronteiras, e apresentou parte do programa em postos de policiamento abandonados na fronteira com o Paraguai, mostrando a falta de controle e fiscalização.O candidato do PSDB ainda bateu forte na questão dos presídios, e disse ter colaborado com Lula quando abrigou o traficante carioca Fernandinho Beira-Mar em presídios paulistas. Ele criticou Lula de ter cortado verba para a segurança do Orçamento da União, e afirmou que "não interessa se somos adversários na política. Para mim, o inimigo é o crime".Já Lula mal citou em seu programa a questão do dossiê, dizendo apenas no início de seu programa que "não precisa agredir os adversários". O petista apresentou as realizações de seu governo e as promessas para um eventual segundo mandato baseadas nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada na sexta-feira passada.O presidente da República e candidato à reeleição ressaltou as realizações na economia, e prometeu gerar mais empregos em um segundo mandato, aprofundar o ritmo de redução da taxa de juros, reduzir impostos, expandir o crédito e estimular as micro e pequenas empresas.Lula apresentou propostas também para melhorar a educação, sua "prioridade máxima", como o Fundeb e a programas como o Pro Uni, e a construção de escolas técnicas. Ele citou ainda obras de infra-estrutura, como o pólo petroquímico e usina siderúrgica do Rio de Janeiro, a refinaria de Pernambuco, a siderúrgica do Ceará, além de hidrelétricas.A candidata do PSOL, Heloísa Helena, também citou o caso do dossiê e criticou o PSDB e o PT. "O que era ruim, ficou pior", disse Heloísa. De acordo com o programa da candidata, o PT esteve envolvido na montagem do dossiê falso, e foi no governo Fernando Henrique Cardoso que a máfia das ambulâncias começou a atuar.Cristovam Buarque, candidato do PDT, disse por sua vez, que o País está "enojado" com os escândalos. Buarque afirmou que o Brasil não concretizou a Lei Áurea, que libertou os escravos em 1888, e pediu votos para realizar "a revolução pela educação".

Agencia Estado,

21 de setembro de 2006 | 14h27

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.