Presidenciável critica PT por tentar mudar lei

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, criticou ontem a ação direta de inconstitucionalidade impetrada pelo PT para tentar derrubar a obrigatoriedade de apresentação de dois documentos para votar: título de eleitor e um documento com foto.

Anne Warth e Sandro Villar, Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2010 | 00h00

"Essa foi uma lei aprovada pelo Lula", afirmou, após encontro organizado por sua mulher Monica Serra, no Esporte Clube Sírio. Segundo o tucano, apresentar dois documentos "é uma garantia para não ter enganação porque o título não tem foto". "Todo o processo eleitoral se organizou em função disso", disse.

Saúde. Serra também fez campanha em Presidente Prudente. Ele destacou temas regionais, citando segurança pública e saúde, e prometeu investimentos maciços. "As Santas Casas do Brasil estão com dívidas de R$ 6 bilhões", disse, comprometendo-se a ajudar esses hospitais se for eleito. Além de defender a construção de presídios para "combater o crime", voltou a cutucar o governo ao falar dos pedágios nas rodovias paulistas. "As dez melhores estradas estão em São Paulo. As piores são federais, de dez há nove sem condições."

O tucano participaria de uma caminhada no centro da cidade, onde cerca de 500 pessoas o esperavam, mas o evento foi cancelado por causa da chuva. Mesmo assim, ele foi ao camelódromo acompanhado de 20 prefeitos. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.