Presidente aumenta o tom para espantar o fantasma de 2006

A menos de um mês da votação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou para si a responsabilidade de conservar intacta a vantagem conquistada pela petista Dilma Rousseff nas pesquisas de intenção de voto. Patrocinador absoluto da candidatura, o presidente entendeu que a reta final da campanha exige atenção especial para evitar algum tipo de surpresa.

Cenário: Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2010 | 00h00

Em conversas com seus aliados diretos, decidiu que era hora de assumir ele próprio o choque com os adversários na discussão sobre o escândalo da quebra de sigilos fiscais por funcionários da Receita Federal. Decidiu também que deveria falar forte.

Na prática, quer usar a mesma popularidade que ajudou a decolagem de Dilma para evitar que ela se exponha na discussão do problema e perca a vantagem obtida sobre José Serra.

Lula tem na memória a reta final da eleição de 2006. Na ocasião, apesar do favoritismo, viu Geraldo Alckmin, do PSDB, reagir nas semanas finais de campanha, empurrado pela lembrança dos escândalos do mensalão e dos aloprados.

Com esses temas negativos centralizando a agenda de debates, Lula deixou de garantir sua reeleição já no primeiro turno. Terminou com 48,61% dos votos válidos, contra 41,64% de Alckmin, deixando a vitória imediata escapar por 1,3 ponto porcentual.

Para evitar a repetição do problema de quatro anos atrás, o presidente se escalou para defender a candidatura que ele mesmo criou. Tudo para evitar a realização de um segundo turno, na qual a oposição chegaria revigorada por salvar uma eleição aparentemente perdida e com tempo de rádio e televisão igual ao da campanha de Dilma. A ordem de Lula é não correr riscos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.