Presidente da Anac é contrário a instalação da CPI do Apagão

O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, afirmou nesta sexta-feira, 9, ser contrário a instalação da CPI do Apagão aéreo, que foi barrada na quinta-feira, 8, pelo governo. Segundo ele, o parlamento "está muito bem informado" sobre as investigações do acidente da Gol e da crise dos aeroportos por causa da operação padrão dos controladores de trafego aéreo. Em entrevista após ter se reunido com representantes do governo do Rio e da Infraero para discutir a transferência de vôos dos aeroportos de São Paulo para o Galeão, Zuanazzi afirmou que não vê motivos para a CPI. "As informações estão dadas, prestadas. Não vejo fator nenhum novo que pudesse alcançar uma CPI", disse.Na reunião com representantes do governo e da Infraero foi discutida a criação de um HUB (centro de distribuição de vôos)do Sudeste. De acordo com o superintendente da Regional Leste da Infraero, Pedro Azambuja, a idéia é partilhar vôos nacionais e internacionais entre os aeroportos da região, com objetivo de desafogar o tráfego aéreo de São Paulo. Segundo ele, 10 companhias internacionais já solicitam novas freqüências para o Galeão, no mercado doméstico, o executivo disse que a TAM já está interessada em transferir para o Rio parte de sua operação.Azambuja afirmou ainda a que o Galeão tem capacidade ampliar sua atividade dos atuais 9 milhões de passageiros para 11 milhões este ano, com ajuda do HUB do Sudeste. Está prevista a redução de tarifas aeroportuárias e outros incentivos fiscais concedidos pelos governos estaduais. Além disso,Azambuja disse que poderá ser criada uma tarifação para as operações aéreas de plataformas marítimas de petróleo, que até agora não tem nenhuma tarifa diferenciada.

Agencia Estado,

09 de março de 2007 | 14h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.