Presidente da Câmara é acusado de agressão

Vereador afirma que B.O. não prova nada e denunciante é ?vigarista?

Rejane Lima, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

23 de janeiro de 2008 | 00h00

O presidente da Câmara Municipal, vereador Antonio Carlos Rodrigues (PR), é acusado de ter agredido e ameaçado três homens em Santos, na segunda-feira. A suposta agressão aconteceu após o construtor João Alves Filho ter cancelado pela segunda vez uma reunião com o vereador, na qual eles tratariam de um impasse judicial entre a Construtora Alvorada, pertencente a Alves Filho, e o aposentado João Lucato, cunhado do vereador.Um boletim de ocorrência contra o vereador foi registrado no 3º Distrito da cidade na noite de anteontem. As vítimas, de acordo com o B.O., são o irmão do construtor, José Alves de Athaide, de 46 anos, o pedreiro Alexandro Conceição do Nascimento, de 31, e o corretor de imóveis Carlos Alberto Moreira, de 43. Além de Rodrigues, dois seguranças dele também são acusados. Segundo o corretor Moreira, a confusão começou quando João Alves Filho cancelou o primeiro encontro com o vereador, marcado para as 10 horas da sexta-feira. A pendência judicial entre Lucato e a construtora Alvorada referia-se à rescisão de um contrato de imóvel adquirido pelo aposentado. O encontro foi então adiado para o dia 21, mas novamente Alves o desmarcou, alegando problemas de saúde. Segundo o corretor, Rodrigues questionou a informação e começou a chamar Athaide de mentiroso."Ele (vereador) esticou o dedo, me empurrou e me perseguiu. Eu dei uma volta na mesa e ele continuou me perseguindo. Quando fiz menção de reagir, o segurança dele se colocou na frente e disse que não era para eu reagir, senão acabaria comigo", disse Moreira. Depois disso, contou o corretor, o segurança apontou uma arma para ele e o pedreiro Nascimento interveio, sendo também ameaçado por um dos seguranças. "Daí o Antonio Carlos foi e agrediu o Athaide. Ele deu um soco no ouvido dele", completou Moreira. Ele afirmou que Athaide foi submetido a exame de corpo e delito e desde então tem sentido um zumbido no ouvido. TUMULTOAntônio Carlos Rodrigues negou qualquer tipo de agressão. "B.O. aceita qualquer coisa, mas não foi nada disso. Nós fomos lá, o cara (João Alves Filho) não apareceu e eu discuti com o corretor. Só isso, não teve nada de soco." O vereador disse ainda que fez B.O. contra João Alves Filho por estelionato. "Esse cara é um vigarista, enganou meu cunhado e agora estão inventando essa história de agressão para despistar. É um absurdo. Levanta o histórico desse João Alves você vai ver que ele é o pilantra. Agora estão simplesmente querendo tumultuar." COLABOROU RODRIGO BRANCATELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.