Presidente da Mangueira não pedirá desculpas a Beth Carvalho

O presidente da Mangueira, Percival Pires, disse que não pretende pedir desculpas à cantora Beth Carvalho, expulsa do carro dos baluartes minutos antes de entrar na avenida. Inicialmente, Perci disse que houve apenas um desencontro na concentração. Ao ser informado que Beth foi retirada do carro por Raymundo de Castro, um dos 22 baluartes da escola, o presidente disse que ainda vai se "inteirar" do assunto. "A Beth deve ter os problemas dela. Mas eu quero lembrar que desde que começou todo esse tititi, eu só falei com a Beth ontem à noite e por telefone. Ainda não estive pessoalmente com ela". O carnavalesco Max Lopes foi mais direto: "Não posso tirar de carro alegórico uma pessoa que pagou uma fantasia caríssima para desfilar. A Beth tinha que combinar antes. E se ela estava com dor na coluna, por que foi cantar no carnaval baiano?", indagou. Mais calmo, Raymundo de Castro, de 77 anos, disse que não queria impedir a cantora de desfilar. "Ela que fosse em outro carro. Se não desfilou, não foi problema meu". Ele explicou que seu destempero na concentração (por pouco ele não agrediu o integrante da diretoria que tentava colocar Beth no carro) foi fruto da emoção. "Não tenho nada contra a Beth. Mas carro dos baluartes é para os baluartes", afirmou. E finalizou: "Quem quer se promover inventa qualquer doença".

Agencia Estado,

19 Fevereiro 2007 | 02h07

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.