Presidente da TAM nega overbooking na companhia para dezembro

Ao sair da reunião com Anac, Líbano Barroso se mostrou confiante de acordo contra possível paralisação de aeronautas e aeroviários no fim do ano

Mônica Ciarelli e Glauber Gonçalves, Agência Estado

22 Novembro 2010 | 14h56

RIO - O presidente da TAM, Líbano Barroso, deixou há pouco a sede da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), no Rio, afirmando que a companhia, líder no mercado de aviação no Brasil, não vendeu passagens acima da capacidade de seus voos para o período de festas de fim de ano. "Não tem excesso. Vendemos dentro do nosso limite, da nossa capacidade. Não tem nada fora da regulação", afirmou o executivo.

 

Veja também:

linkNão há como garantir endosso de passagens de outras companhias, diz Gol

linkAnac estima ocupação de mais de 90% nos voos em dezembro

linkInfraero garante estar preparada para demanda da Copa e Olimpíada

 

De acordo com informações apuradas pelo Grupo Estado, ao menos uma grande companhia teria vendido cerca de 10 mil bilhetes acima da capacidade para os meses de dezembro e janeiro. Barroso - que participou da reunião com a direção da Anac, Receita Federal, Infraero, Polícia Federal e representantes das maiores companhias aéreas do País para discutir um plano de ação para evitar um apagão aéreo no fim do ano - deixou a entrevista coletiva antes do fim, sob alegação de que iria participar de cerimônia de lançamento do primeiro voo com uso de biocombustível pela TAM.

 

Antes de deixar a sede da Anac, ele foi questionado sobre as negociações com os sindicatos de aeronautas e aeroviários, que ameaçam greve. Ele se mostrou confiante na concretização de uma acordo, sem necessidade de paralisações. O diretor de Relações Institucionais da Gol, Alberto Fajerman, também está confiante em um entendimento. "Dissídio é um elemento de pressão. Por ser dezembro, isso é mais forte pois estamos às vésperas de Natal e Ano Novo. Mas não acho que há um clima de insatisfação", disse. "Temos feito inúmeros movimentos para atender as reivindicações dos funcionários" complementou.

Mais conteúdo sobre:
Aviação Anac TAM voos infraero

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.