Divulgação/Suípa
Divulgação/Suípa

Presidente de ONG paga R$ 500 por resgate de cavalos furtados

Negociação foi feita com adolescentes que cobravam '500 pila' por animal levado; eles tinham em média 15 anos

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2015 | 17h54

Atualizada às 22h12

A presidente da Sociedade União Internacional Protetora dos Animais (Suípa), Izabel Nascimento, pagou R$ 500 pelo resgate dos dois cavalos furtados da instituição na madrugada desta terça-feira, 27. 

A negociação foi feita durante a tarde com adolescentes que cobravam "500 pila" por cada animal levado. "Eles tinham em média 15 anos e chegaram ao portão querendo negociar. Eu disse que pagaria R$ 250 com o meu dinheiro, mesmo sabendo que não era certo, porque fomos furtados", afirmou. 

Izabel contou que os adolescentes se irritaram e que ameaçaram vender os animais para carroceiros. "Eu disse que eles poderiam procurar valor melhor, mas que todo mundo já sabia que os cavalos haviam sido roubados da Suípa e que estavam identificados com microchip". Por volta das 17 horas, alguns adolescentes voltaram com Arregue, contaram o dinheiro e foram embora. Uma hora mais tarde, retornaram com o outro animal, Petrobrás.

Izabel disse ainda que mensagens anônimas chegaram pelo site da Suípa, informando o endereço em que está o gavião Magu, levado na mesma ocasião. A casa fica na Favela do Jacarezinho, na zona norte. 

"Já entreguei para a polícia o endereço. Quero ver se eles vão ter coragem de ir buscá-lo". Magu ganhou o apelido por causa do personagem Mr Magoo, que se envolve em situações perigosas porque praticamente não enxerga. O gavião perdeu a visão depois que teve os olhos queimados com isqueiro ou vela. A ave estava em tratamento.

Foi a quarta vez que a sede da Suípa foi invadida este ano. "Não aguento mais. A polícia não está nem aí. Vão se preocupar com roubo de gato, cachorro?", desabafou a presidente da entidade, Izabel Nascimento. A Suípa fica em frente à Unidade de Polícia Pacificadora de Manguinhos. "Eles dizem que não podem fazer nada porque aqui é Jacarezinho".

A sede da Suípa foi arrombada durante a madrugada. Izabel acredita que os cavalos seriam vendidos para carroceiros que atuam na região. Já o gavião seria vendido em feira de aves. "As pessoas não têm como saber que ele estava cego, ainda mais à noite. São muito cruéis com os animais", afirma Izabel. 

Os criminosos também tentaram levar a égua Pacífica, batizada assim porque foi resgatada no mesmo período da instalação da UPP na região. "De pacífica ela não tem nada. Deve ter dado muito coice neles", acredita a presidente da Suípa. A égua estava machucada e tinha um arame preso ao pescoço. Pacífica "adotou" uma filhote recém-resgatada, Yasmim. Pode ter agido assim para protegê-la, acredita Izabel

O caso foi registrado na 25ª Delegacia de Polícia Civil. A perícia esteve no local. Izabel diz que vai procurar a ajuda de empresas que queiram ajudar a instituição, uma entidade sem fins lucrativos, instalando câmeras de segurança. Este ano, foram furtados cães que estavam prontos para adoção, cavalos e aparelhos de raio-x da clínica veterinária comunitária que funciona no local.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro animais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.