Presidente do STF lamenta morte de Celso Daniel

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, lamentou a morte do prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT). "O crime demonstra a insegurança que vivemos e a necessidade de buscarmos as causas", disse, na tarde deste domingo.Marco Aurélio disse que é preciso descobrir os motivos do assassinato. "Não podemos continuar como estamos: é tempo de nos preocuparmos com a criação de empregos e a correção da nefasta desigualdade; não é possível termos no Brasil quantidade tão grande de pessoas vivendo na miséria", disse o ministro.Mas o presidente do Supremo ressaltou que, se o motivo não foi de ordem econômica, mas político, a situação é pior ainda. "Nesse caso, a preocupação deve ser maior, pois o quadro revelaria algo a que não estávamos acostumados", opinou Marco Aurélio.OABTambém neste domingo à tarde, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota oficial de repúdio ao assassinato de Celso Daniel."É a mais recente demonstração do quadro de violência em que se encontra o País. A barbárie, que assume proporções fantásticas, particularmente no Estado de São Paulo, denota a fragilidade das políticas públicas na área de segurança e a desatenção das autoridades para a criminalidade crescente em todas as unidades da Federação".A nota destaca que a sociedade brasileira se encontra insegura e não aceita mais "discursos frouxos e promessas vã".O texto, assinado pelo presidente nacional da OAB, Rubens Aprobatto Machado, termina dizendo que "as circunstâncias do crime, ainda não esclarecidas, nos levam também a refletir sobre uma das páginas mais sombrias de nossa história, quando os grupos clandestinos de ideologias autoritárias atuavam sob o manto da impunidade".MagistradosO presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Cláudio Baldino Maciel, disse na tarde deste domingo que o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), demonstra que é necessário investir na polícia, no Judiciário e nos órgãos de segurança de todo o País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.