Presidente do STJ diz que infiltração do crime é preocupante

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Nilson Naves, disse na Câmara que considera "preocupante" a infiltração do crime em segmentos da sociedade, como ocorreu no Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo, cujos dirigentes foram presos ontem pela Polícia Federal sob acusação de formação de quadrilha, desobediência a ordem judicial e paralisação de trabalho mediante uso de violência. Naves participa de um ato público contra a escalada da violência e da criminalidade no País, no qual está sendo lançado o Movimento Nacional da Justiça contra a Violência. Trata-se, segundo a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) de um fórum permanente de debates e ações com objetivo de combater o crime organizado. O presidente do STJ criticou indiretamente o Congresso, ao afirmar que o agravamento de penas não resolve o problema da violência. Segundo ele, se a prisão perpétua e a pena de morte resolvessem o problema, não haveria violência nos países que adotam este tipo de penas. "A violência há de se resolver reaparelhando a polícia". O ministro disse, também, que a reforma do Judiciário em tramitação no Legislativo está sendo feita "de cima para baixo" e que a reorganização do Poder Judiciário deve ser, pelo contrário, feita "de baixo para cima".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.