Presidente empata com Figueiredo

Uma análise dos ministros nomeados pelo presidente Lula para o STF desde 2003 não ajuda a definir o perfil do que substituirá o ministro Eros Grau, que se aposenta às vésperas de completar 70 anos. Lula seguiu, para cada indicação, uma lógica própria.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2010 | 00h00

Desta vez, arriscam integrantes do governo, o presidente escolherá alguém de sua extrema confiança, que lhe seja próximo, já que esta será sua última indicação para o tribunal. Mas o nome com tal perfil, que era certo para a vaga, era o de José Antonio Dias Toffoli, já indicado com a morte do ministro Carlos Alberto Menezes Direito. Toffoli foi advogado de Lula nas campanhas de 1998, 2002 e 2006, integrou a Casa Civil durante a gestão de José Dirceu e foi advogado-geral da União.

Outro que se encaixaria perfeitamente no perfil seria Sigmaringa Seixas. Porém, além de ter recusado os convites de Lula, Sigmaringa já passou dos 65 anos, limite de idade para ser nomeado ministro do STF.

Nove indicações. Com esta última nomeação, Lula fechará seu governo com nove indicações para o Supremo, empatando com o general-presidente João Figueiredo (1979-85).

Foram escolhidos por Lula: Cezar Peluso, Carlos Ayres Britto, Joaquim Barbosa, Eros Grau, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Menezes Direito e Toffoli. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso indicou três. O sucessor de Lula deverá indicar quatro. / F.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.