Presidiário confessa assassinato de irmãos e afirma que teve visões

Condenado por homicídio nos anos 90, Rosário tinha autorização para deixar hospital psiquiátrico nos fins de semana

Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

28 Setembro 2007 | 00h00

O presidiário Ademir Oliveira do Rosário, de 36 anos, confessou ontem que matou no sábado os irmãos Francisco, de 14, e Josenildo Ferreira de Oliveira, de 13, na Serra da Cantareira. O motivo: "Deu bobeira." Rosário contou que, depois de dominar os garotos com uma faca, começou a ter visões. Havia "bichos" na mata, que o ameaçavam. Ele disse que matou os irmãos porque eles o contrariaram, dizendo que não tinha bicho nenhum por ali. Preso duas vezes nos anos 90, por homicídio e abuso sexual, Rosário era interno do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico 2 de Franco da Rocha. Estava no programa de desinternação progressiva, o que lhe dava o direito de passar fins de semana com a família. Rosário aproveitava as visitas para praticar crimes - ele é acusado de abusar de outros 11 adolescentes, desde março. "Ele tinha um álibi excelente: estava preso", disse Carlos Paschoal de Toledo, diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) A princípio, Rosário negou os crimes. Conforme foi inquirido na presença dos médicos, chorou. Acabou confessando os dois homicídios e três casos de atentado ao pudor. A polícia chegou ao acusado por meio do relato de três adolescentes que escaparam de um ataque no sábado. Rosário agiu como sempre costumava fazer. Dominou as vítimas simulando ter uma arma. Amarrou dois deles e mandou o terceiro se despir. A vítima obedeceu, mas aproveitou um descuido de Rosário e fugiu antes de ser violentado - os colegas fizeram o mesmo. Pouco depois, Rosário dominou os irmãos. "Ele abordava as vítimas numa pedra no meio da mata", disse a delegada Cíntia Tucunduva. Rosário contou que amarrou Josenildo com um cadarço e levou Francisco pela trilha. Passou por uma cabana na mata e começou a ter a "visão". Ele perguntou ao rapaz se ele também via os bichos. Francisco disse que não. Contrariado, Rosário esfaqueou o garoto. "Ele voltou pela trilha e encontrou o irmão, que tinha se desamarrado", disse Cíntia. Rosário fez a mesma pergunta a Josenildo. Como o menino também não via bicho nenhum, golpeou-lhe o pescoço, peito e abdome e, depois, abusou dele. Até agora, seis vítimas reconheceram Rosário. O primeiro caso ocorreu em 3 de março - ele atacou três rapazes. Em 5 de agosto, violentou cinco. Os últimos dois ataques ocorreram no sábado. A polícia apura ainda se Rosário tem participação no desaparecimento de um jovem e em mais quatro homicídios. FRASES Ademir do Rosário Assassino confesso "Deu bobeira" Carlos Paschoal de Toledo Diretor do DHPP "Ele tinha um álibi excelente: estava preso" Cíntia Tucunduva Delegada do DHPP "Ele abordava as vítimas no meio da mata"

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.