Presidiário diz que teve relações sexuais com refém

O delegado seccional de Osasco, Sílvio Balangio Junior, disse que o presidiário Edson Félix dos Santos, de 34 anos, contou à polícia que teve relações sexuais com a ex-mulher Carla Joelma Alencar, de 33 anos, que foi feita refém por cerca de 37 horas, no Jardim Quitaúna, em Osasco, na Grande São Paulo. "Ela disse que não voltou a ter relações e ele confirma que teve". Para apurar, Carla será submetida a um exame sexológicoApesar das evidência de cárcere privado, o presidiário também negou que tenha seqüestrado a ex-mulher. Em depoimento, Carla afirmou que não foi obrigada a nada e não se considerou refém, segundo o delegado. "O Edson alega que não seqüestrou ela e disse que já vinha tendo encontros amorosos desde que saiu do indulto. Só que Carla nega esses encontros", disse o delegado. Conforme o delegado, durante o depoimento, eles não chegaram a tecer comentário sobre o motivo da discussão. "A razão da discussão, bem superficial, é que ele ainda diz ser o marido dela e ela queria encerrar o relacionamento", contou Junior.Santos, que cumpre pena por assalto e porte ilegal de arma, saiu do presídio em dezembro após receber autorização para passar o Natal e o ano-novo com a família. Na terça-feira, deveria ter voltado para a prisão, mas no mesmo dia decidiu manter a ex-mulher em cárcere privado. Carla aproveitou um cochilo do ex-marido e conseguiu sair pela janela às 4 horas da manhã, com a ajuda de policiais. Muito abalada, ela recebeu atendimento médico ainda no local. Carla contou à polícia que não sofreu agressão física. Armado com um revólver calibre 38, Santos permaneceu na casa por mais uma hora, antes de se entregar. Segundo o delegado seccional de Osasco, Santos foi autuado em flagrante pelos crimes de seqüestro, cárcere privado e porte ilegal de arma e pode ser condenado a até 16 anos de prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.