Presidiários doam alimentos para Natal sem Fome

Nove mil presidiários do Estado doaram, nesta segunda-feira, cerca de cinco toneladas de alimentos à campanha Natal Sem Fome, da Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e Pela Vida.Os detentos se dispuseram a deixar de fazer uma refeição para que a comida fosse doada. A iniciativa dos presidiários emocionou o coordenador do Natal sem Fome, Maurício Andrade.Decisão foi voluntária?Este é o maior exemplo de participação na campanha: pessoas que estão presas, alimentando famintos em liberdade?, disse Andrade.Os presos que aderiram à campanha fazem parte de 14 penitenciárias do Estado e correspondem à metade da população carcerária do Rio. A decisão de participar do Natal sem Fome foi voluntária.De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Direitos Humanos, uma comissão de presos enviou carta ao secretário João Luiz Pinaud, comunicando a vontade de doar os alimentos.Presidiários se organizaramCada presídio se organizou de uma forma. Em muitas unidades, os presos preferiram reduzir a quantidade de comida em cada refeição nas últimas duas semanas, a fim de doar o excedente.Já no presídio de segurança máxima Bangu 3, os detentos decidiram fazer uma sopa para substituir o jantar da noite deste domingo. Outros presídios aproveitaram o dia de visita, neste domingo, quando parentes levam alimentos, para deixar de almoçar.Maurício Andrade visitou 12 das 14 instituições que decidiram doar os alimentos ? duas são fora da região metropolitana, a Colônia Agrícola de Magé e o Presídio de Campos.Ano inteiroEm Bangu 1, penitenciária de segurança máxima, os presos manifestaram a intenção de doar alimentos durante o ano todo. ?Eles deixariam de almoçar e jantar nos fins de semana, quando recebem refeições levadas por familiares. Se isso acontecer, eles podem garantir comida suficiente para sustentar uma creche?, disse Andrade.Em Bangu 1 estão os presos considerados mais perigosos, como os traficantes Márcio Nepomuceno, o Marcinho VP, Carlos Roberto Moreira, o Sussuquinha, e Ernaldo Pinto dos Santos, o Uê, este condenado a 209 anos de prisão pela morte de 16 pessoas.Sessenta toneladasO coordenador nacional do Natal sem Fome calcula que, nos primeiros 20 dias de campanha, 60 toneladas de alimentos tenham sido arrecadadas no Rio de Janeiro.Ainda faltam 940 toneladas para garantir a distribuição de cestas para 150 mil famílias. Maurício Andrade pede a participação de empresários.?A campanha está crescendo, mas a adesão de empresários é importante e necessária.? O telefone 0800-20-2000 centraliza os endereços para entrega de alimentos em todo o País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.