Presídio de SP receberá bloqueador de celulares em abril

A penitenciária de segurança máxima de Presidente Bernardes, a 600 quilômetros de São Paulo, será a primeira a receber o sistema de bloqueador de telefones celulares. A unidade, que será inaugurada dia 2 de abril, receberá 160 presos considerados perigosos e será a única a funcionar no País com o bloqueador, pelo menos durante o próximo mês, apesar de o presidente Fernando Henrique Cardoso ter anunciado que o sistema entraria em funcionamento até o final de março. O Ministério da Justiça, no entanto, quer que os bloqueadores em penitenciárias comece a funcionar o quanto antes em outras cidades de São Paulo. Mas outros estados também receberão o equipamento: Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná. O diretor do Departamento Judiciário do Ministério da Justiça, Ângelo Roncali, explicou que há muitas dificuldades para colocar o sistema em funcionamento porque esta é uma tecnologia nova e o tipo de equipamento a ser usado depende do local onde ele será instalado. O secretário-adjunto da Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo, José Carneiro Rolim Neto, por sua vez, informou que, além do presídio de Presidente Bernardes, outras 20 penitenciárias de segurança máxima e de regime disciplinar diferencial terão bloqueadores instalados. As outras 80 unidades prisionais do estado não terão estar proteção, pelo menos por enquanto.Mas a instalação do sistema de nestas 20 unidades levarão pelo menos mais dois meses para receberem a rede de proteção para impedir o uso de celular nas cadeias. É que o processo ainda está em licitação. Segundo Neto, a eficácia do sistema já foi testada e a instalação do bloqueador custará entre R$ 90 mil e R$ 110 mil por penitenciária. A instalação dos bloqueadores será paga pelos governos federal e estadual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.