Presídios de Bangu terão bloqueadores para sinal de celular

A secretaria de Administração Penitenciária do Rio informou hoje que dentro de 23 dias deverão entrar em funcionamento bloqueadores do sinal de celular nos presídios Bangu 2, 3 e 4, a exemplo do que já ocorre em Bangu 1 desde o fim do ano passado. As restrições para a entrada de advogados nos presídios foram prorrogadas por mais dois meses. O secretário de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos, disse que em dois meses Bangu 1 voltará a funcionar como unidade de segurança máxima. Parcialmente destruído durante rebelião liderada pelo traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, em setembro do ano passado, quando quatro presos foram assassinados, o presídio está sendo equipado com portas automáticas e câmeras de vigilância, além dos bloqueadores de celular. "O sistema penitenciário não é mais o ?escritório do crime organizado?", disse Santos, referindo-se a uma expressão usada pelo Ministério Público do Estado para definir o presídio. De acordo com o secretário, estará pronto em quatro meses o alambrado que cercará o complexo de presídios de Bangu, e sua entrada única, que poderá ficar sob responsabilidade da Polícia Federal. Astério informou ainda que sete novas unidades prisionais estão sendo construídas. São três penitenciárias, dois presídios, um hospital e um manicômio judiciário espalhados pelo Norte Fluminense, Região dos Lagos, Baixada Fluminense e Bangu (zona oeste do Rio). O secretário disse que serão criados exames de classificação para que os presos sejam direcionados para as unidades a partir de uma análise de sua personalidade e não mais segundo a facção criminosa a que estão ligados. O governo do Estado tem convênios com o governo federal e com a prefeitura do Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.