Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Preso acusado de assassinar juiz de Presidente Prudente

A polícia prendeu um homem envolvido na morte do juiz-corregedor Antônio José Machado Dias,da Vara das Execuções Criminais de Presidente Prudente. A informação foi divulgada nesta terça-feira pelo diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o delegado Domingos dePaulo Neto."Não posso fornecer mais nenhum detalhe, como nome, apelido e que tipo de envolvimento o preso teve no caso, poisestão em risco vidas de pessoas e a própria investigação do crime", disse.O assassinato ocorreu no dia 14 deste mês, quando o juiz ia do fórum de Prudente para casa. Seu Vectra foi fechado por um Uno no qual estavam dois homens, um dos quais disparou com umapistola calibre 9 milímetros, acertando o magistrado.Todos os indícios até agora apontam para um crime encomendado pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). O principalsuspeito de ser o mandante é o chefe máximo da organização, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, que negou a participação nocrime por meio de sua advogada."Daqui a 48 horas poderemos ter uma solução. Espero estar próximo da solução do crime", afirmou o delegado. O que levou a polícia a investigar o PCC foi o fato de que o juizassassinado cuidava dos processos de execução de pena de vários dos líderes da facção e dos detentos do presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes. Os líderes estavam descontentes com a apuração de mortes de presos ocorridas em Bernardes e se queixavam da atuação de Machado Dias.Na semana passada, foi apreendido um bilhete naPenitenciária 1 de Avaré, enviado pelo preso Rogério Jeremias, o Gegê do Mangue, para Marcola. Nele, o preso dizia que a "operação que faltava foi marcada e o paciente operado".Gegê do Mangue e o preso José Luiz dos Santos, piloto (espécie de gerente) do PCC na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, foram ouvidos pelo DHPP sobre o crime. Além disso, apolícia investiga o Uno usado pelos criminosos. O objetivo é chegar aos executores do juiz descobrindo quem encomendou o carro, que, oficialmente, foi roubado em São Paulo. Veja o especial:

Agencia Estado,

25 de março de 2003 | 20h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.