Preso acusado de ser chefe interino do PCC

A polícia prendeu na tarde deste sábado um acusado de ser chefe interino da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Anco Márcio Pereira Maia, de 28 anos, o Gordo ou Tonelada, foi preso às 16h30 pelos investigadores da Delegacia Seccional de São Bernardo do Campo quando tomava cerveja em uma padaria com um casal de amigos. Gordo havia assumido a sintonia geral (transmissão das ordens da cúpula) do ABC após a prisão, na terça-feira, de Emivaldo Silva Santos, o BH. Até então, Gordo era o homem que chefiava a facção criminosa na ?quebrada de São Bernardo?.Gordo estava desarmado e não reagiu. Com ele foi detido Nivaldo Monteiro da Cruz, de 37 anos, traficante que havia fugido do presídio de Mongaguá, na Baixada Santista, e Miriam Oliveira Andrade, namorada de Nivaldo. ?Os dois vieram da Baixada reforçar o PCC no ABC?, disse o delegado Paul Henry Verduraz. Com eles, a polícia apreendeu um Golf cinza.Na sexta-feira, a delegacia havia detido três homens acusados de incendiar ônibus em São Bernardo. ?Eles disseram que estavam cumprindo ordens do Gordo?, contou o delegado. Segundo Verduraz, com a prisão de BH, foi Gordo quem passou a receber as ordens da cúpula do PCC vindas de dentro do sistema prisional para repassá-las aos soldados nas ruas.Maia, que no passado esteve preso por roubo e tráfico de drogas, tinha prisão decretada pela Justiça, sob a acusação de ter participado da tentativa de assassinar agentes prisionais no Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Bernardo, em 26 de junho. Essa ação do PCC foi frustrada por uma operação policial que deixou 13 integrantes da facção mortos e 5 presos.Quatro criminosos haviam escapado do cerco policial. Entre eles estava Gordo, que dirigia um caminhão. Por causa disso, ele é acusado de tentativa de homicídio, resistência à prisão, porte ilegal de arma e formação de quadrilha.Após o fracasso da ação no CDP, a organização criminosa ficou debilitada na região do ABC. ?Sem o Gordo, o PCC ficará acéfalo no ABC?, disse o delegado Marco Antônio Paula Santos, chefe da Polícia Civil em São Bernardo. Ele comandou as investigações que levaram à descoberta do plano de ataque da facção contra o CDP e às prisões de Gordo e de BH.ImpactoBH foi detido por policiais rodoviários quando dirigia seu Audi A3 no km 53 da Rodovia dos Imigrantes. A prisão foi apontada pelo governador Cláudio Lembo (PFL) como uma das causas para o início dos mais recentes ataques feitos pelo PCC. BH foi quem recebeu as ordens da cúpula da organização para preparar a guerra atual por meio do aumento da mensalidade paga pelos integrantes em liberdade.As investigações da polícia sobre ele e Gordo começaram em maio, depois dos primeiros ataques do PCC. Desde então, a polícia tem monitorado os passos dos principais integrantes da organização para conseguir detê-los.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.