Preso anunciava em jornal e recebia retorno por celular

Recolhido ao Presídio Estadual de Novo Hamburgo, um homem de 31 anos costumava anunciar sua disponibilidade para relacionamentos amorosos na seção de cartas de um jornal de grande circulação na região metropolitana de Porto Alegre.A polícia ainda não sabe se o presidiário recebeu alguma visita como resultado da publicidade. Mas já descobriu que o retorno era considerável. Em apenas duas horas, das 14h às 16h de quinta-feira, período em que os agentes penitenciários atenderam às ligações, oito mulheres chamaram para dizer que estavam interessadas em conhecer o remetente das cartas.O esquema foi descoberto após uma revista que apreendeu dois celulares, duas baterias, um quilo de maconha e 18 facas artesanais no presídio, que fica no centro de Novo Hamburgo. Intrigados com os constantes chamados para um dos telefones, os agentes decidiram atendê-los na expectativa de descobrir conexões externas dos apenados. E ficaram surpresos com o que passaram a ouvir.Na origem dos telefonemas estavam mulheres de Porto Alegre, Gravataí e Canoas, que logo iam citando as cartas ao jornal e mostrando interesse em conhecer o remetente. ?Fiquei impressionado com a solidão e a carência das pessoas?, diz o delegado penitenciário da 1ª Região, José Antônio Antunes.O presidiário não informava sua condição nas cartas. Ele cumpre pena de três anos, desde junho de 2001, por tráfico de entorpecentes. E vai sofrer sanções disciplinares por transgredir a proibição de uso de celulares na cadeia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.