Preso bandido que aterrorizava mulheres na Grande SP

Com a prisão do desempregado Richard Paiva dos Santos, de 21 anos, a polícia de Ribeirão Pires, na Grande São Paulo, acredita que poderá esclarecer pelo menos 10 casos de seqüestros-relâmpago contra mulheres, algumas vítimas inclusive de estupro. Eram 20h30 de ontem, quando o criminoso foi detido em um ponto de ônibus, na Rua Professor Francisco Antonio Nunes, no bairro de Santa Luzia. Três vítimas compareceram ao Distrito Policial Sede de Ribeirão e reconheceram o assaltante, que acabou indiciado por roubo, seqüestro, extorsão e estupro.A equipe chefiada pelo delegado José Luiz Parisoto Filho chegou até o criminoso através de informações obtidas com pessoas às quais Paiva, na tentativa de mostrar do que era capaz, acabava relatando os crimes que praticava. "Há 1 ano que ele vinha atuando aqui em Ribeirão Pires. Ele saiu de Mauá após brigar com os pais e mudou para cá", disse o investigador J.R., um dos que realizaram o flagrante.No último dia 4, a diretora de escola M.A.C.S., de 33 anos, foi rendida pelo assaltante na porta do estabelecimento de ensino. Levada no porta-malas no próprio carro até a cidade de Suzano, a vítima teve de entregar cartões bancários, sofreu saques em suas contas e acabou estuprada em um motel. Seis dias depois, L.S.G., de 52 anos, foi rendida também em seu veículo e seria levada para a mesma cidade vizinha. Num ato de coragem, L.S.G. abriu a porta do carro, em movimento pela Rodovia Índio-Tibiriçá, e saltou, conseguindo escapar. A coragem da vítima custou-lhe a quebra do fêmur.O assaltante, que não foi pego com a arma que usava nos crimes, disse ter perdido o revólver durante uma fuga no última dia 16, quando já havia seqüestrado a jovem R.V.B., de 26 anos. Outros sete crimes do mesmo tipo foram registrados na cidade e nas mesmas regiões. "A descrição física do bandido feita pela vítimas destes casos é muito parecida com a do que prendemos hoje", completou o investigador. Paiva será transferido para o Centro de Detenção Provisória de Mauá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.