Preso Bin Laden, líder do PCC

Polícia vai investigar se ele executou adolescentes

Chico Siqueira, ARAÇATUBA, O Estadao de S.Paulo

28 de dezembro de 2007 | 00h00

A força tática da Polícia Militar prendeu ontem Luís Antônio Bueno Arbol, de 40 anos, o Bin Laden, apontado como um dos principais líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) no interior de São Paulo. Ele foi preso por porte de arma, depois que PMs encontraram um revólver calibre 38, munições e capuzes num quarto que ele usava na casa da namorada, Vanessa Francisco das Neves, de 24, no jardim Paraíso, em Araçatuba, a 540 quilômetros de São Paulo. Vanessa também foi presa. Bin Laden é acusado de ordenar ataques a ônibus e a alvos da PM no ano passado no noroeste do Estado. Além disso, é apontado como responsável pelas finanças do PCC. A segurança foi reforçada com PMs armados de metralhadoras enquanto Bin Laden esteve detido no 2º DP. Ele seria enviado hoje para uma cadeia pública. O delegado Paulo de Tarso de Almeida Prado, responsável pelo flagrante, disse que foi obrigado a ocultar o destino de Bin Laden porque temia que o PCC fizesse resgate durante o "bonde" ou invadisse uma das frágeis cadeias da região. Quatro advogados compareceram ao DP para defendê-lo minutos após a prisão. Bin Laden é condenado por roubo e responde por latrocínio, mas estava em liberdade condicional. Ao delegado Almeida Prado, disse que não era do PCC, mas tinha contato com a facção e que estava harmonizando as ações do grupo na região; prova disso seria o número de homicídios e ataques a militares, reduzido de 2006 para 2007. Bin Laden não quis falar com a imprensa, mas disse ser injustiçado. "Estão me acusando de crimes que não cometi." Com a prisão, a polícia poderá investigar se Bin Laden executou dois irmãos adolescentes, que teriam estuprado uma menina de 11 anos, há duas semanas em Araçatuba. Os rapazes, segundo a polícia, teriam sido julgados e condenados pelo PCC. Bin Laden teria decidido fazer a execução pessoalmente, porque a menina seria filha de um colega de cela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.