Preso chefe do tráfico do Morro do Turano

O traficante Ocimar Nunes Robert, o Barbosinha, apontado como chefe do tráfico no Morro do Turano, na zona norte da cidade, e acusado de ameaçar a Universidade Estácio de Sá, foi preso pela Polícia Federal nesta segunda-feira de manhã no município de Presidente Médici, em Rondônia.Gravações feitas pela polícia paulista há oito meses mostram Barbosinha, que, na época, estava escondido em São Paulo, conversando com Luís Carlos Pacheco Lourenço, o PC, seu comparsa no Turano. Ele ameaçava atirar contra a universidade. O traficante diz: ?Vou jogar uma bomba dentro da faculdade. Se eles (policiais) não pararem de zoar à noite, morre um monte de estudante.?Em outro trecho, os dois bandidos falamabertamente da expectativa de aumento nas vendas de drogas com o reinício das aulas na Estácio. ?Vamos ver se na semana que vem abre a faculdade. Vê se dá um gás aqui melhor?, disse PC. ?Aí vai começar a melhorar?, afirmou Barbosinha.O secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, disse que a prisão de Barbosinha foi o primeiro resultado concreto da parceria das políciais estaduais com a Polícia Federal, já que os agentes federais chegaram até ele depois que policiais civis do Rio lhes repassaram o endereço.Segundo Garotinho, o criminoso já havia estado preso, no Rio, por dez anos, mas cumpriu sua pena e foi solto. Ele disse ainda que a polícia conseguiu um mandado de prisão contra ele no dia 8 de maio, três dias depois de a estudante Luciana Gonçalves de Novaes ter sido baleada ? no início das investigações, os traficantes do Turano eram os principais suspeitos de ter atirado.Agora, é ?quase certo?, disse o secretário, que o tiro tenha partido do pátio da Estácio. Garotinho disse que a prisão do traficante, que usava um nome falso, pode não ajudar a elucidação do crime, já que ele não estava no Rio quando Luciana foi baleada. ?Mais do que esclarecer o caso, estamos tirando de circulação o chefe de uma área importante do tráfico de drogas.?O secretário informou que Barbosinha abastecia outras favelas com carregamento de drogas, além do Turano. Atuava em São Paulo e também em MatoGrosso, Roraima e Rondônia. Ele será trazido para o Rio, onde ficará preso. O chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, informou que a PF carioca enviou três agentes à Rondônia.Um deles, Claudio Braile Martins, de 43 anos, morreu em um acidente de carro no fim de semana, mas o trabalho continuou. Segundo Lins, a vinda de Barbosinha para o Rio depende da liberação da Justiça local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.